Minha história de vida e seus 27 anos com a Bete

Minha história de vida e seus 27 anos com a Bete


Hoje, com imenso prazer compartilho uma bela história de vida da Maila Sathler e os seus 27 anos ao lado da Bete.

  “Nasci em Lavras, MG e morei em várias cidades de Minas Gerais até completar meus 7 anos de idade, quando nos mudamos para Brasília, DF. Somos evangélicos e meu pai sempre foi pastor, por isso a vida “cigana” que tivemos, nos mudando para tantas cidades diferentes.

Assim, quando chegamos em Brasília eu estava com muito medo de “ladrões” pq ouvia falar que aqui era “muito perigoso”, mas o que me aconteceu foi descobrirem que eu estava diabética aos 7 anos e meio de idade! Minha mãe desconfiou do diagnóstico pq em poucas semanas eu fiquei “pele e osso” de tão magra, comia sem parar, uma fome exagerada, bebia água aos litros o dia inteiro e urinava de 10 em 10 minutos, o vaso sanitário enchia de formigas e eu voltei a urinar na cama, coisa que eu havia parado de fazer quando completei 1 ano de idade!!!

O interessante é que quando colocavam meu colchão pra tomar sol e secar o xixi, ficava uma mancha branca no local onde eu havia urinado, essa mancha nada mais era que AÇÚCAR da urina!!! Me lembro dessa época e da mancha… era triste saber que ao dormir eu iria fazer xixi, toda noite era assim, eu não conseguia acordar para ir ao banheiro… foi então que meus pais me levaram para fazer o exame de glicose em jejum e se não me engano, minha glicose estava 345 em jejum!

Meu avô materno morreu com complicações do diabetes e minha mãe já sabia como eram os cuidados com a Bete!

Cresci achando que minha Bete era hereditária até descobrir que a DM1 não tem nada a ver com hereditariedade, e sim com alguma coisa, ainda não identificada, fazendo com o que o próprio corpo da criança ataque o pâncreas!

No meu caso, os médicos desconfiaram que foi uma rubéola que eu tive que desencadeou, mas TUDO é apenas “desconfiança”… eu sei que foi uma infância difícil porquê eu AMAVA doces e de uma hora pra outra me vi sem poder comer doces! Tive que parar de ir em festinhas e aniversários pq eu ficava mto triste por não poder comer os doces… minha mãe, fazia de tudo pra que eu não sentisse tanto, tentava fazer bolos e doces diet mas na época quase não existia produtos diet! Me lembro que existia gelatina, DIET COKE, TRIDENT, um chocolate HORRÍVEL que se chamava PAM e umas balas igualmente HORRÍVEIS de algas! ECA! Fora as injeções que eu tinha “pavor” e que se tornaram rotina na minha vida! Me lembro do médico falar c minha mãe que se eu ficasse c vontade de comer alguma coisa seria MUITO pior do que se eu realmente comesse essa coisa, pq isso me faria muito mais mal! E cresci assim, evitando comer as coisas com açúcar e liberada para comer de TUDO que não tinha açúcar!

No Natal e na Páscoa, meus pais me dava caixa de bombom e ovo de Páscoa com açúcar pq não existia o diet, e eu comia devagar e pouco de cada vez pra aproveitar ao máximo aquele “consumo”… com o tempo começaram a aparecer mais produtos diet: achocolatados, balinhas de latinha, outros chicletes, chocolates que agora tinha um sabor agradável, sucos, danones, sorvetes… e eu cresci sabendo que se eu comesse açúcar poderia “perder uma perna ou ficar cega” esses eram meus grandes medos!!!!!!!!! Por isso não comia de jeito nenhum!!!

A adolescência também foi uma fase difícil, pq acredito que os hormônios não trabalham em acordo com a Bete! Engordei muito, os médicos não entediam, mandavam eu “fechar a boca pq estava gorda”, foi quando meu pai falou que iria comprar minha insulina pra que eu não precisasse passar por essa humilhação no posto de saúde, pq tínhamos que consultar no posto p conseguir a insulina! Foi então que passei os 10 anos mais FELIZES da minha vida, sem médicos, sem exames de sangue, sem furar o dedo, só tomando minha insulina 2 vezes ao dia e comendo TUDO de sal que existia, menos açúcar!

Rsrsrsrsrsrsrs… ledo engano esse meu… sim, eu fui feliz sem ir ao médico, sem fazer exames, mas HOJE eu sei que foi um risco muito grande o que eu corri pq hoje sei que o carboidrato me faz muito mais mal do que o próprio açúcar em si!

Me formei em Publicidade e Propaganda, namorei, noivei e casei.

Maila Sathler casamento

Com 2 semanas de casada, eu engravidei, pq não tomava contraceptivo pois me disseram que não poderia tomar por causa da diabetes e da hipertensão que tenho!

Quando descobri a gestação, estava com 7 semanas e sem nenhum controle! Foi quando corri atrás de um médico no posto de saúde e ele me indicou fazer um controle rigoroso com obstetra de “alto risco”, nutricionista e endocrinologista para que nada de pior acontecesse comigo e com o bebê!

O primeiro exame de glicada que fiz, depois de mais de 10 anos sem nem furar meus dedos, deu 8,5 e a endocrinologista me disse que eu estava SUPER descontrolada e que isso poderia afetar o bebê! Daí por diante eu fiz TUDO que me mandaram, exames e consultas mensais, remédios e polivitamínicos, mudaram minha insulina e me apresentaram a Humalog Ultra Rápida. Fiz tudo direitinho, religiosamente no mês seguinte minha hemoglobina glicada deu 5,5! Minha médica endocrinologista ficou super feliz e eu também! Acreditei que seria possível ter meu bebê super saudável APESAR da Bete!

E Deus assim me abençoou! Não senti nem enjoo, passei os 9 meses super bem, posso dizer que foram os 9 meses mais SAUDÁVEIS da minha vida!

Maila Sathler Gravidez

Comi muita “carne, salada e queijo” coisas que não alteravam tanto a minha glicemia… pq na gestação descobri que minha diabetes não é igual a da maioria dos diabéticos, a minha é de DIFÍCIL controle pq o que dá certo para a maioria dos diabéticos, como comer aveia, integrais, desnatados e frutas, pra mim não dá! Os integrais e desnatados alteram e muito a minha glicemia, fruta então, não posso nem cheirar que a glicose sobe! Rsrsrsrsr… como diz minha médica, “EU SOU MAIS DO QUE ESPECIAL”!!!

Optei por fazer uma cesariana pq minha obstetra de alto risco disse que faria normal só se eu quisesse muito, pq ela já havia feito partos normais em diabéticas que tinham sido um sucesso MAS que também já havia perdido bebês na hora do parto pq a glicemia altera muito nessa hora, os médicos não tem controle, na mesma hora que está 300, ela cai pra 50 e ISSO causa falta de oxigênio no bebê o que pode causar a morte dele! No dia que soube disso, estava com 4 meses, eu falei c minha médica: “Pode marcar minha cesárea, já basta os riscos que o bebê corre no meu corpo, não quero mais um risco desse na hora do parto. TUDO pela vida do meu bebê!”

E graças a Deus, quando completei 38 semanas de gestação, fizeram minha cesárea e correu TUDO muito bem! Meu bebê nasceu perfeitamente saudável e muito forte, com 3,750K.

Maila Sathler filho

Não tive complicações pós cirúrgicas e minha cicatrização foi PERFEITA!

Depois do período da gestação mantive o controle com minha endocrinologista, nos encontramos a cada 3 meses!

Faço exames periódicos e semestrais!

Depois da gestação quando fui refazer meu exame de fundo de olho apareceu o inicio da retinopatia, fiquei tão triste pq esse sempre foi meu grande e temível medo da Bete, a cegueira… mas o oftalmologista me deu os parabéns pq minha retinopatia apareceu depois de 25 anos de Bete e ele disse que ela aparece aos 8 anos!

Já fazem 2 anos que faço os exames de vista de 6 em 6 meses e minha retinopatia não aumentou, está do mesmo jeitinho, bem no início. O oftalmo disse que se aumentar basta a gente fazer a aplicação de layser p cauterizar o sangramento e evitar assim a cegueira diabética, mas p isso é preciso fazer este exame de 6 em 6 meses!

Em janeiro deste anos descobri que também estou sofrendo de neuropatia na mãos! Minhas mãos ficam dormentes, formigando, e meus dedos travam quando vou fechar as mãos, e dói muito pra voltar ao normal, mas o reumatologista também me disse que demorou e muito pra isso aparecer e que nenhum diabético escapa disso! Normalmente isso dá nas pernas, mas como eu SOU ESPECIAL, em mim deu nas mãos!

Como até aqui me ajudou o Senhor, meu Deus! TUDO que Ele me permitir fazer, eu farei, e ainda quero ver meu filho casar e ter seus filhinhos!

Maila Sathler filho 2

A Bete é uma doença silenciosa que vai matando o nosso corpo aos poucos, mas isso só acontece se nós deixarmos! Pra evitar basta seguir os conselhos médicos, nutricionais, exames de rotina e consultas, isso ainda é pouco perto de tanta gente que sofre com doenças MUITO piores que a Bete!

E vamos seguir em frente o nosso caminho, tendo os cuidados necessários, chegamos longe ou ainda mais longe do que os seres humanos comuns aos nosso redor!”

Maila Sathler filho hoje

 

 

3 Comentários

Deixe o seu
  1. 1
    Denise Marques

    Lendo esse relato, pude fazer considerações importantes a respeito de ser diabética, uma delas é que não devemos desistir da Vida, devemos nos Amar em primeiro lugar, para assim nos cuidar, o início da doença é desafiador, pois sua vida vira de cabeça para baixo, mas com o tempo vc vai se adaptando e tudo fica ”normal” de novo. E assim vamos vivendo, um dia de cada vez, com seus altos e baixos, mas seguindo em frente, como nossa amiga aí de cima, porque ser Feliz é o mais importante!! Abraços aos companheiros de luta!!

  2. 2
    MARIA JOSE

    LINDO RELATO SEU DE TUDO QUE PASSOU … MAS EU SEI O QUANTO VOCÊ É ESPECIAL PRA DEUS E TEMOS CONHECIMENTO DO QUANTO É ABENÇOADA EM TODAS A S AREAS DE SUA VIDA. QUE BOM VER O QUANTO É FORTE E QUE FAMILIA LINDA VOCÊ TEM E QUE EXEMPLO VOCÊ É.. BEIJOS E QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO SEMPRE VOCÊ.

  3. 3
    Ilza

    Minha amiga…sabemos quem a sustenta. E vc está debaixo das asas do nosso amado Deus e quem tem o melhor para vc. Vejo também que é uma guerreira, não desiste nunca. Deus em sua infinita bondade, continue derramando as mais ricas bênçãos sobre sua vida. Sobrr sua família. Bj enorme.

+ Deixe um comentário