Crianças e Diabetes

Crianças e Diabetes


Dia das crianças se aproximando e me motivando a escrever o artigo de hoje.

O tema não poderia ser outro! Vamos falar sobre a saúde da criança.

No último dia 26 estive numa reunião de Cirurgia Bariátrica em Campo Grande/ Rio de Janeiro e encontrei-me com uma médica endocrinologista excelente e grande amiga Roberta Vilela.

Começamos a conversar sobre de que maneira o diagnóstico de Diabetes tem ocorrido e quais os aspectos a serem relevados para maior controle e qualidade de vida das pessoas diagnosticadas.

Um assunto me chamou muita atenção, no que se refere ao acompanhamento pediátrico. Ao nascer, o bebê inicia um longo acompanhamento para a verificação da saúde, desenvolvimento físico e motor e tratamentos específicos no surgimento de patologias da infância. Mas o que me assusta nesta história, é que assim como eu nunca havia pensado, acredito que inúmeras outras pessoas, profissionais da saúde ou não, também nunca perceberam a necessidade de encaminhamento da criança à exames específicos para a verificação diabetes regularmente. Pois, geralmente, elas recebem o diagnóstico da Diabetes tipo I, quando levadas a emergência de hospitais por sintomas nunca percebidos. E quanto ao diagnóstico do tipo II alguns aspectos facilitam este processo, como: a alimentação, obesidade, sedentarismo e principalmente a predisposição genética.

Mas nos dois tipos percebemos como a saúde das nossas crianças é frágil. Percebemos que não é preciso aguardar o surgimento de uma patologia, para que então comecemos a cuidar daquilo que era essencial desde o nascimento. A vida.

De que maneira seu filho foi diagnosticado? Quantos anos ele tinha (ou tem)? Como está sendo pra ele? E para a família? Quais ações vocês realizam para o equilíbrio físico e emocional desta criança?

Perguntas assim, possibilitarão aos responsáveis uma breve análise da importância de buscar agora modificações necessárias para estimular nossos pequenos à saúde e qualidade de vida.

Atividade física, se alimentar de forma equilibrada e saudável, acompanhamento especializado, podem influenciar no tempo para o surgimento da Bete.

Mas caso ela já seja parte da rotina do seu filho, quais ações posso continuar realizando para que ele viva da melhor maneira?

Criança tem que brincar!!!

Feliz dia das crianças!!!

+ Não há comentários

Deixe o seu