Hipoglicemia. O que é isso?

Hipoglicemia. O que é isso?


Vamos a seguinte situação:

Você, longe de sua cidade, da sua casa e aproveitando dias de descanso em um paraíso qualquer.

História comum se não fosse um fato: Eu e a Bete.

Mas Pablo, qual o problema até então? Vamos seguindo a nossa história.

Aproveitando um belo dia de lazer ao ar livre, tomando todos os cuidados como hidratação e realização de refeições a cada 3 horas.

Além disso, como responsável que você é, continua seu tratamento aplicando as insulinas e correção se necessárias nos seus devidos horários.

E mesmo com todos estes cuidados e com toda esta situação assim apresentada você não alertou ninguém neste belo lugar que tem a Bete e que poderia mesmo fazendo todas as ações naturais e responsáveis ter um episódio de Hipoglicemia.

E acontece com você o inesperado, fica desacordado, as pessoas ao redor desconhecem os sintomas e o que poderia ser naquele momento e que você está apresentando um episódio de hipoglicemia.

É feito de tudo, menos os primeiros cuidados para um socorro breve e que pode salvar uma vida, a sua vida.

Portanto, o que irei compartilhar serve de alerta e de orientação para quem tem a Bete, para quem não tem e gostaria de entender melhor sobre o que fazer, como
proceder e identificar os sintomas.

HIPOGLICEMIA = NÍVEL DE AÇÚCAR BAIXO NO SANGUE

PERDA DE CONSCIÊNCIA = O CÉREBRO NECESSITA DE GLICOSE PARA FUNCIONAR CORRETAMENTE

Sintomas mais comuns:

– Confusão Mental

– Comportamento Anormal

– Dificuldade em realizar atividades simples

– Tremores

– Tontura

– Palidez

– Suor frio e excessivo

– Fraqueza

– Sensação de desmaio

– Dor de cabeça

Estágios mais avançado:

– Convulsões

– Perda de consciência

– Coma

Causas:

– Consumo excessivo de bebidas alcoólicas

– Jejum prolongado

– Esforço físico excessivo

– Uso de algum medicamento como insulina

Cuidados permanentes aos diabéticos:

– Coma antes de dormir;

– Não pular refeições; Ficar muito tempo sem comer diminui o nível de açúcar no sangue naturalmente;

– Se realiza atividades físicas, faça um consumo de carboidratos antes e após a atividade. Levando em consideração uma tabela de contagem de

carboidratos recomendada pelo seu médico;

– Importante realizar sempre a famosa a “ponta de dedo” ou teste glicêmico para saber a taxa de glicose no seu sangue;

Glicemia:

Num teste de glicemia, caso a pessoa esteja de posse do aparelho, caso o valor apresente abaixo de 60mg%, pode ser considerado hipoglicemia.

Como agir:

SE A PESSOA ESTIVER ACORDADA:
Tomar um copo de suco de frutas com açúcar ou refrigerante não-dietético, ou água com açúcar, ou chupar duas a quatro balas não-dietéticas.

SE A PESSOA ESTIVER DESMAIADA:
Colocar açúcar ou mel (uma colher das de sopa cheia) entre a bochecha e os dentes. Não dê líquidos, não a force a abrir a boca e massageie a bochecha

(provocando aumento de saliva, que derreterá o açúcar e fará com que ele seja engolido mais rapidamente).

Quando a pessoa estiver acordando, dê suco de fruta, refrigerante não-dietético ou leite com pão ou bolachas, ou aplique uma ampola de glucagon

(Glucagen) — metade da ampola, se for criança —, via intramuscular, endovenosa ou subcutânea (como se fosse insulina). Quando a pessoa acordar, faça com

que ela coma algo

*O que é um glicosímetro?

É um aparelho portátil, que mede de maneira confiável a glicose do paciente a partir de uma gota de sangue extraída da ponta do dedo com um aparelho

chamado lancetador. A gota de sangue é colocada sobre uma fita reagente descartável e o aparelho calcula em poucos segundos a glicose daquele momento. O

glicosímetro é muito útil para que o paciente possa registrar sua glicemia no exato momento em que aparecem os primeiros sinais da hipoglicemia

permitindo a sua confirmação

Fontes:

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

www.minhavida.com.br

www.abc.med.br

Sociedade Brasileira de Diabetes

www.endocrinologia.com.br

+ Não há comentários

Deixe o seu