Obesidade infantil. Você está preocupado com isso?

Obesidade infantil. Você está preocupado com isso?


Mais uma sexta azul e com ela um novo assunto para a nossa blogagem coletiva.

Dia 11 de outubro é o Dia Mundial de Prevenção da Obesidade. A IASO – World Obesity Federation – adotou a data como oficial para abordar e alertar sobre o tema.

O problema já é tratado como caso de saúde pública. Segundo o Dr. Márcio Mancini, responsável pelo Departamento de Obesidade da SBEM, o excesso de peso acomete 40% da população brasileira.

Optei neste artigo abordar sobre a obesidade infantil por dois aspectos:

O primeiro, pois estamos na semana próxima do dia das crianças e em segundo, porquê posso falar por experiência própria sobre a obesidade infantil.

Ser obeso na infância é legal? Posso dizer com toda certeza que no meu caso foi péssimo.

Captura de Tela 2015-10-09 às 00.38.49

Com 12 anos de idade

Durante minha infância, passei muito tempo sofrendo calado por isso.

O termo “Bullying” se existia, eu desconhecia na época, mas posso falar que pra mim, a obesidade era uma condição extremamente desconfortável e triste.

Sempre o último escolhido na educação física, ganhei incontáveis apelidos e ser motivo de piada era algo que psicologicamente acabava me ferindo.

Se meus pais não estivessem preparados a me dar o auxílio que precisava, certamente isso poderia ter causado algum dano no futuro.

Natural ver uma criança fora de peso e dizer: “olha que gracinha, ele é tão fotinho!” e isso está errado!

Há um risco escondido por trás disso principalmente com a saúde.

Não pode ser encarado como natural o fato delas de forma tão precoce nos dias de hoje, serem invadidas pelo consumismo sem limites dos fast-food.

Aceitar que não há limites é assinar uma carta como responsável por essa criança, onde tal documento afirma que você se responsabiliza por todos os riscos a saúde e a vida. Que está pronto para lidar com as enormes chances de ter que aprender a conviver e lidar com o diabetes tipo 2.

Chega de inconformismos ou apenas apontar o dedo e criticar. A solução simples, rápida e prática para inibição de todo esse quadro e para o combate a obesidade infantil, pode na maioria das vezes ser resolvida com mudanças alimentares, exclusão do sedentarismo e a realização de atividades físicas.

Lembrando que existem outras condições relacionadas a obesidade infantil, tais como fatores genéticos e fatores psicológicos, como estresse e tédio.

Ressaltando como sempre a importância de procurar ajuda médica, pois eles irão considerar os fatores individuais por criança e acompanhar seu desenvolvimento, assim como o seu crescimento.

Não deixe de reparar um problema que o mais cedo for diagnosticado mais fácil será fácil de ser resolvido.

Fontes e mais informações sobre obesidade e obesidade infantil:

http://www.endocrino.org.br/11-de-outubro-e-dia-nacional-de-prevencao-da-obesidade/

http://www.abeso.org.br/noticia/11-de-outubro-e-oficialmente-dia-mundial-da-obesidade

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/obesidade-infantil

Imagem fonte: http://www.mirror.co.uk