Sorria

Sorria


Fiquei refletindo esta noite sobre o que causa impacto nas pessoas ou em linhas virtuais, o que gera mais curtidas nas redes sociais.
 
Curiosamente, analisando todas as minhas publicações, os posts nos quais estou revoltado, nervoso, angustiado, aborrecido e tantas outras coisas negativas geram uma atenção maior, uma espécie de leitura de sentimentos alheios.
 
No meu encontro com o Daniel, abordamos isso e ele citou mais uma vez algo que é verdade.
 
Se você estiver sozinho num elevador, entrar uma pessoa e ela começar a falar: “Nossa que lindo dia, o sol está incrível, que céu fantástico!”, você talvez no máximo irá concordar, não prolongue esta tentativa de diálogo ou até mesmo julgue a pessoa como louca.
 
Agora, basta alguém chegar e comentar: “Tempo feio hein, caindo um mundo lá fora, que frio chato esse!” pronto. Aí gera assunto até o último andar do prédio.
 
Estamos assim, condicionados ao ruim, ao pessimismo, ao vitimismo, para aquilo que provoque e desperte a nossa dor.
 
São duras as palavras, mas adquirimos o hábito de baixar a cabeça, aceitar a derrota e quando um “louco” chega para defender a bandeira do positivo, de um horizonte de boas novidades, da alegria de viver, isso não chama atenção, não causa impacto, fica o mais do mesmo, não faz a menor diferença.
 
Precisamos despertar e acreditar que ser positivo não é um fato passageiro, mas uma condição de vida.
 
Afinal, já não basta pra você o fato de ter sido um dos selecionados pra não ter um pâncreas funcionando? Pra que complicar mais?
 
Lamente menos, reflita sobre os problemas, mas não more dentro deles.
 
É NA CRISE QUE SE CRESCE!
 
Aproveite que você está agora no trem lotado, no engarrafamento, pensando naquela dívida pra pagar e SORRIA!
Sorria!
 

+ Não há comentários

Deixe o seu