UM BREVE RESUMO DE VIDA – FALANDO SOBRE IDOSOS

UM BREVE RESUMO DE VIDA – FALANDO SOBRE IDOSOS


Vamos falar dos nossos idosos?

Segundo o IBGE, na década de 1970, cerca de 4,95% da população brasileira era constituída por idosos. Percentual que aumentou para 8,47% na década de 1990 com a expectativa de alcançar 9,2 em 2010 (SIQUEIRA,2002).

Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, 33% da população brasileira dos 60 aos 79 anos de idade têm diabetes ou alguma alteração relacionada à glicose.

Dados esses que se tornam um alerta, e fonte de preocupação, pois se a estimativa afirma que o número de idosos aumentará consideravelmente, e a qualidade de vida e cuidados com a saúde no nosso país não são as melhores. Como esses idosos alcançarão a qualidade de vida tão falada?

Falar sobre desenvolvimento humano, é abordar as fases em que o ser humano percorre naturalmente na aquisição de instrumentos que o ajude a sobreviver. Aspectos emocionais, psicológicos, físicos e sociais influenciam consideravelmente a rotina das pessoas e compromete a sua satisfação com a vida.  Com os idosos acontece da mesma maneira, mas com uma intensidade diferenciada pois o peso da idade se torna uma característica com duas polaridade. O que é positivo e o que é negativo.

Segundo o Portal Brasil, a diabetes tipo 2, é a mais comum, atingindo 90% dos casos, e com relação significativa com a genética, com o envelhecimento, o excesso de peso e o sedentarismo. Nesta modalidade, existe uma resistência à ação da insulina no organismo.

O especialista afirma que o tipo 2 muitas vezes não causa muitos sintomas e, por isso, não é diagnosticado corretamente. Um simples exame de glicemia pode não indicar a doença. Apenas testes mais específicos, como a leitura da taxa de glicemia após ingestão de açúcar, é que podem comprovar o problema.
Tendo como base a realidade social do idoso no nosso país, que muitas vezes não apresentam condições financeiras digna, apoio familiar, apoio médico especializado, acesso ao medicamento ou ainda por acreditar que chegou ao fim da vida, possibilita um índice elevado do “não controle” da Diabetes, aumentando as chances de se adquirir os danos causados pela doença.

Danos esses que se apresentam com a cegueira, amputação de membros, insuficiência renal, derrame cerebral, disfunção erétil, úlcera nos pés, depressão, entre outros problemas. Os riscos de incontinência urinária, quedas e demências, também aumentam. Assim como há uma piora na captação da glicose (função dos músculos) por haver a perda de massa muscular na terceira idade.

Vale ressaltar que no paciente diabético idoso, segundo explicou a diretora do Cedeba, situação de hipoglicemia, por exemplo ( queda do nível de glicose no sangue) representa um risco maior para quedas que, além de fraturas também podem causar ferimentos, também problema para o paciente diabético, principalmente se o diabetes não estiver controlado. (dados blog Paulo Nunes)

Abordar assuntos relacionados a terceira idade demonstra o quanto precisamos ainda evoluir na promoção de cuidados com a nossa saúde.

Se você tem idoso na sua família, ou ainda, não se esquece que futuramente será o caminho de muitos de nós o que é possível ser feito hoje para modificar essa história de perdas, diminuições e problematizações da senilidade?

Os idosos necessitam de afeto assim como qualquer um de nós, ainda que ele seja intolerante, impaciente, teimoso, depressivo e negativo, possibilitar um ouvir com carinho, respeito e dignidade tornarão a relação e o acesso à esse ser com vasta vivência mais positivos. Oferecer condições onde ele possa praticar o auto cuidado, com apoio nutricional, psicológico, médico e implantação de atividade física também auxiliam a conscientização e conhecimento a cerca da diabetes e de possíveis dinâmicas para melhorar o quadro clinico e emocional.

Desta forma, vale refletir em qualquer momento da vida, com a Diabetes presente ou não, quais hábitos você quer preservar em sua rotina diária, promovendo cuidados com a sua saúde você estará modificando os dados utilizados neste texto. E aos idosos diabéticos, existe ainda muito o que ser feito, cuide-se, quebre “pré – conceitos”, permita-se viver mais tempo e VIVER BEM.

 

Até breve!!!

 

 

Fonte: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/diabetes

 

 

+ Não há comentários

Deixe o seu