VOCÊ TEM VERGONHA DE QUE?

VOCÊ TEM VERGONHA DE QUE?


Para o texto de hoje, separei um assunto que ficou muito presente no I Encontro Azul, organizado pelo “Eu e a Bete” e “Diabetes, esporte e natureza”. E a propósito, que encontro maravilhoso!!!

Em alguns dicionários, a VERGONHA é definida como sentimento penoso por se ter cometido alguma falta ou pelo temor da desonra.

Seu significado geralmente se aplica a vivencias negativas e traz ao ser envergonhado, sentimentos relacionados a humilhação e inferioridade.

Custódio (2015) pontua que essa emoção nos acompanha desde os dois anos de idade. Estando presente em muitas ocasiões. Sendo uma emoção básica de qualquer ser humano, surgindo principalmente no meio das relações sociais que vamos construindo ao longo da vida.

Pode-se definir vergonha como uma experiência aversiva, relacionada com sentimentos pessoais de diminuição e rebaixamento, onde nos vemos pequeninos, impotentes, pouco atrativos, com muitas falhas e por vezes até indesejáveis (Gilbert & McGuire, 1998).

Para o diabético, a vergonha fica bem explícita, quando se aproxima a hora da aplicação de insulina, ou ainda, pelo constrangimento vivenciado em situações onde o causador da vergonha desconhece o assunto Diabetes.

Como a vergonha está relacionada com o EU e com o Outro. A maneira que o outro me percebe é um dos fatores principais deste sentimento, apresentando como pensamentos negativos alguns “achismos” e desvalorização do EU, a partir do julgamento do outro.

Exemplos de pensamentos negativos:

“Vão pensar o que de mim, se me virem aplicando insulina aqui na rua?”

“Quem vai gostar de mim?”

“Se eu fizer isso, vão me excluir…”

“Não fique com vergonha”

“O que é isso que você está aplicando?”

 

Como reação, são utilizados comportamentos de fulga; evitamos contato com o que nos deixa envergonhados; tentamos apaziguar; pedimos desculpas. E tantas outras ações que em determinado ponto deixa-se de ser alguém para vivenciar o que é do outro.

Abandonar a vergonha é deixar de lado a necessidade de se auto-afirmar. Pois a vergonha representa justamente a diminuição de nossa auto-afirmação perante o mundo.

Reflita sobre seus valores pessoais e sobre a visão que tem de si. Priorize a sua relação intrapessoal. Mas, se ainda assim, você perceber que sua vergonha é paralisante, não sinta vergonha de pedir ajuda!